Sindicato dos Armadores e das Indústrias da Pesca de Itajaí e Região

Coordenadoria Técnica

Matéria: Gestão sustentável de capturas acessórias na pesca de arrasto na América Latina

O segredo do sucesso do REBYC II-ALC no sul do Brasil: trabalhando juntos, de mãos dadas, com as comunidades pesqueiras

 

A base para a adoção bem-sucedida de um dispositivo de redução de capturas acessórias (BRD) é desenvolvê-lo sempre em estreita parceria com aqueles que têm um vasto conhecimento do mar e da pesca e, de fato, com aqueles que finalmente o usarão, os pescadores. e fabricantes de redes. É essencial que o projeto faça sentido para eles, para que se sintam interessados ​​em incorporar a ferramenta em seu trabalho diário. A tarefa vai muito além de simplesmente apresentar uma modificação a eles, significa criar os BRDs juntos, desenvolvendo, com eles, modelos que são adaptados à realidade de sua pesca.

Nesse entendimento, a equipe do CEPSUL / ICMBio, parceira do projeto REBYC II-LAC desde o seu início no Brasil, trabalhou duro com comunidades e instituições de pesca, incluindo aquelas que já trabalham com a pesca em cada região, para criar um vínculo de confiança com a comunidade, pescadores e fabricantes de redes, para fortalecer o diálogo e pensar juntos na construção de BRDs adequados a cada realidade. Com o Instituto Federal de Santa Catarina, em Itajaí (IFSC), por exemplo, a equipe teve a oportunidade de desenvolver atividades teóricas e práticas, incluindo a construção e testes a bordo, no barco da escola “ Aprendendo com o mar”, De vários dispositivos desenvolvidos em conjunto com cerca de 800 pescadores. Essas atividades conjuntas estimularam várias iniciativas de desenvolvimento e teste de BRD pelos próprios pescadores, incluindo o uso de desenhos de malha quadrada para reduzir a captura de “miximba” (termo regional para captura acessória).

Os pescadores e fabricantes de redes de todas as regiões têm participado ativamente do desenvolvimento de dispositivos de exclusão de tartarugas (TEDs) e BRDs em todas as regiões onde foram realizados. O trabalho conjunto com instituições locais incluiu visitas técnicas prévias às comunidades pesqueiras, para familiarizar-se com pescadores, barcos, artes e distribuição de capturas. Desde as primeiras reuniões, os dispositivos foram construídos em parceria com fabricantes de redes locais, proprietários de barcos, capitães e pescadores trabalhando nos mesmos barcos que realizaram os testes. Embora ainda preliminares, vários resultados positivos já estão sendo alcançados nessas regiões, incluindo a construção e teste de novos modelos de BRDs pelas comunidades pesqueiras. Muito mais importantes do que os resultados até agora alcançados pelos BRDs testados são os vínculos mútuos de confiança que foram criados entre os pescadores e todas as instituições envolvidas, incluindo o CEPSUL, e a equipe do Projeto REBYC II-ALC, que está introduzindo novas perspectivas. sobre como trabalhar em conjunto para tornar as atividades de pesca mais sustentáveis. Aqui estão alguns depoimentos de parceiros que trabalham com o projeto REBYC II-ALC:

- “Se conseguirmos tirar os juvenis da rede de arrasto de camarão, pararemos o ciclo de pesca prejudicial. Para isso, estamos testando a malha quadrada a cada dia de uma maneira diferente ”.

Proprietário de barco do estado de Santa Catarina.

- “É possível perceber uma nova maneira de trabalhar. Em vez de aceitar qualquer dispositivo, estamos ajudando a criá-los ”. Fisher de barco de pesca de média escala, do Estado de São Paulo.

- “A rede adaptada não aumentou a perda de camarão. De fato, havia camarão maior nele do que na rede normal. A malha maior está trazendo camarões mais bonitos, provavelmente porque os menores escapam mais ”. Pescador de pequena pesca, do estado de Santa Catarina.

- “O TED está funcionando perfeitamente. Na rede com um TED anexado, havia menos raios e lixo e a mesma quantidade de camarão ”. Fisher de uma pesca em pequena escala, do Estado de São Paulo.

Graças aos pescadores, criadores de redes e proprietários de barcos que colaboram com o projeto, e instituições parceiras, como a Fundação Pró-Tamar - Base Ubatuba, Instituto de Pesca de São Paulo - Base Ubatuba, Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina - EPAGRI, Centro Tamar / ICMBio, Instituto Federal de Santa Catarina - IFSC / Campus Itajaí, Sindicato dos Armadores e das Indústrias da Pesca de Itajaí e Região - SINDIPI, Fundação Instituto de Pesca do Rio de Janeiro - FIPERJ, Associação de Pescadores e Armadores de Guaratuba e região - APAGRE, Secretaria Municipal de Pesca e Agricultura de Guaratuba, entre outros, estamos construindo coletivamente um futuro sustentável para a pesca de arrasto de camarão no Brasil.

06/07/2020
 
 
Brasil
Via FAO
arrasto-de-camarao-rosa arrasto-de-camarao-sete-barbas fauna-acompanhante rebyc fao