Sindicato dos Armadores e das Indústrias da Pesca de Itajaí e Região

Coordenadoria Técnica

Artigo: Certificações e selos de produção sustentável

Por Luiz Carlos Matsuda 

O processo de certificação permite identificar indústrias pesqueiras que seguem práticas recomendadas internacionalmente através de selos de pesca ecológica. Dessa forma consumidores possuem a garantia de estarem adquirindo um produto capturado de forma sustentável. A Marine Stewardship Council (MSC) é uma das certificadoras de pesca mais reconhecida mundialmente. Para obter a certificação da MSC, barco e indústria passam por avaliação independente para atestarem que seguem os padrões estabelecidos pela MSC.

Os três princípios da MSC de pesca sustentável:

1) Estoques pesqueiros sustentáveis

2) Impacto ambiental minimizado 

3) Gestão eficaz  

A indústria de alimentos Leal Santos está prestes a conseguir a primeira certificação do tipo no Brasil, que também será a primeira no oceano Atlântico Sul. O processo de certificação, que começou em julho de 2018, está em fase de finalização com data prevista para o final do ano de 2019.  “Um diferencial citado durante o processo de certificação é que mais de 80% da isca-viva utilizada na pescaria é de anchoíta. Espécie pouco comercializada e com estoques praticamente inexplorados”. Não vai ser a primeira certificação da Leal Santos. Além desta, desde 2010 a empresa possui outras duas certificações de pesca sustentável:

“Friend of the Sea”

A certificação Friend of the Sea garante a qualidade do pescado e compreende uma série de ferramentas que não colocam em risco os estoques de bonito-listrado (Katsuwonus pelamis), albacora-branco (Thunnus alalunga) e albacora-lage (Thunnus albacares), pois o método de pesca de vara e isca-viva praticado pelas embarcações da empresa é extremamente seletivo, com descarte praticamente nulo de espécies sem interesse comercial e que não impacta o ecossistema marinho. Além disso, a ela também adota medidas que visam cuidados com seus empregados, clientes e operadores da cadeia produtiva como um todo. 

“Dolphin Safe”

Pelos mesmos motivos citados acima, esta certificação é concedida para empresas que capturam atum por métodos que não prejudiquem os golfinhos e não impactem o ecossistema marinho. 

Principais benefícios 

As certificações ou selos obtidos demonstram o compromisso dos operadores com questões de sustentabilidade ambiental e conformidade legislativa. O que é um diferencial de valor apreciado por varejistas e compradores, sendo as certificações indispensáveis para indústrias brasileiras conquistarem o mercado internacional com seus produtos. Mercado este promissor, segundo a Associação Brasileira das Indústrias de Pescado (Abipesca) a exportação de pescado para UE movimenta US$ 62 milhões por ano.

artigo